Escolha uma Página

Você certamente conhece alguém que tem a necessidade de ser o centro das atenções em todas as conversas.

É aquele tipo de pessoa que precisa ter razão e dar a última palavra sempre. Lembrou de alguém? Vou descrever alguns comportamentos típicos desses sujeitos para te ajudar.

Pense bem. Será que em algum momento da sua vida você já não presenciou uma conversa (quase um monólogo) de alguém contando para as pessoas o quanto é fodástico(a) em tudo que faz?

Seus cursos, títulos, experiências, aprendizados, dores, superações, decisões e a biografia completa de sucesso que renderia um best seller do The New York Times?

Do jeito que essa pessoa expõe suas experiências, você chega a se impressionar com a capacidade que ela tem de ser tão fantástica, espetacular, incrível e quase supra-humana.

Quando você fala que fez alguma coisa interessante, quando levanta um tema pra debater, quando se posiciona sobre algo, essa pessoa mostra pra você que já é pós doutor naquele assunto.

Eae, lembrou-se de alguém que seja tão extraordinário?

Pode ser que você tenha recordado e até mesmo percebido que a supervalorização que essa pessoa dá a si mesma já pode ter deixado você um pouco desconfortável com sua própria vida, afinal, por que você também não consegue ser esse super-homem ou mulher maravilha com tanta maestria?

Não estamos nem falando de inveja, mas do questionamento real a respeito das suas capacidades de alcançar o êxito que essas pessoas cantam aos quatro ventos.

Acalme-se. Eu vou te revelar um segredo que essas pessoas não têm coragem e contar para o próprio espelho.

Sabe por que elas falam tanto delas mesmas e valorizam seus feitos extraordinários? Porque elas precisam afirmar isso constantemente pra ver se elas mesmas acreditam que são tão boas assim!

Essas pessoas sofrem de algum tipo de complexo de inferioridade e a competição com os outros as move para que elas provem a si mesmas que são capazes de realizar feitos incríveis. Alguns homens fazem isso pra tentar provar pra si mesmo a própria masculinidade.

Pense comigo. Quem sabe do seu potencial e acredita nele faz o que tem que ser feito sem esperar que o mundo aplauda. Os aplausos virão naturalmente, assim como a admiração das pessoas, filha de um resultado efetivo  que você alcançou pelas suas ações.

As pessoas vão te admirar quando você for o exemplo sem que você mesmo tenha que gritar que o é.  As pessoas vão falar de você e tê-lo como referência sem que você tenha que fazer propaganda de si mesmo.

Eu costumo comparar esse tipo de pessoa carente de atenção com produtos em liquidação em uma loja. Elas ficam gritando na porta da loja de comércio popular que estão em promoção.

Eu prefiro ser artigo raro, de luxo, apreciado e desejado por muitos sem necessidade de propaganda. A minha existência, meu trabalho e meus comportamentos tornam-me única e admirada e as pessoas enxergam isso.

Sendo assim, da próxima vez que você encontrar alguém em liquidação, gritando pra se promover desesperadamente, escute e faça cara de impressionado. Ajude a inflar o ego do coitado. Essa pessoa necessita de ajuda.

Lembre-se de uma coisa: é preciso diferenciar autoestima e ego inflado. Quem tem autoestima não precisa anunciar pra todo mundo o quão foda é. Basta existir.

Até a próxima.