Escolha uma Página

Como seria se nos fosse dada a possibilidade de saber quando será o último adeus?

Como seria se soubéssemos que aquele será o último abraço, o último beijo, o último olhar?

Será que aprenderíamos, então, a amar? Será que aproveitaríamos cada momento para expressar o sentimento que passamos a vida reprimindo? Será que deixaríamos de lado as discussões e as futilidades?

A contagem regressiva da vida começa quando aqui chegamos, mas não podemos supor quando irá acabar. E se soubéssemos, algo iria mudar? E se você soubesse que hoje é seu último dia?  Ou se fosse o último dia de quem você mais ama?

Há uma frase que diz: ame o que você tem antes que a vida o ensine a amar o que você tinha. Esse é nosso real dilema, dar valor àquilo que temos apenas quando não o temos mais. A Lei da escassez.

Se fosse o último adeus, haveria mais vida, mais intensidade? Aprenderíamos a viver o momento e doar nossa atenção de verdade?

E se fosse o último a adeus, como seria a despedida? Será que o abraço seria mais longo, as palavras mais doces e o olhar mais carinhoso?

Será que se você soubesse que nunca mais veria aquelas pessoas, diria adeus com o coração leve, sem mágoa e perdoando cada momento passado de desentendimento?

Será que se cientes da contagem regressiva, não deveríamos aprender a valorizar pessoas, experiências e situações?

O segredo de Deus para nos ensinar a valorizar a vida é justamente nos ocultar a data em que ela termina. Assim, aprendemos que tudo passa e que cada pequena fração de segundo deve ser vivida em sua mais completa intensidade.

A vida é finita para nos lembrar de viver segundo com intensidade. Acontece que vivemos como se ela fosse eterna no todo e nos esquecemos de eternizar cada momento.

Vivemos como se amanhã fossemos ter tempo para aquilo que deixamos de fazer hoje. Esquecemos que amanhã não existe.

Presos nesse paradoxo, preferimos ocultar a verdade: a cada segundo, um sopro a menos de vida. A cada instante que passa, a vida vai se despedindo. E, nós nos iludindo na perspectiva do “para sempre”.

Agarremos cada oportunidade de dizer eu te amo. Que possamos distribuir abraços e sorrisos. Que saibamos nos despedir com amor e carinho., olhar nos olhos, tocar na pele. Diga o que sente e permita-se ouvir também o que os outros têm a dizer a você. Amanhã pode ser tarde demais.

Aprenda com quem não tem mais a chance de olhar nos olhos de quem ama e valorize as pessoas que o cercam. A cada segundo que passa, temos um instante a menos de vida, sendo assim, viva o agora, o único momento de vida que você realmente possui.