Escolha uma Página

Eu sei que você já ouviu falar que quem ama perdoa. Pra mim, quem se ama, perdoa.

Perdoar é o maior ato de auto amor que alguém pode praticar, porque a gente não perdoa pelo outro. A gente perdoa pra gente.

A gente perdoa pra gente porque somos nós quem carregamos o peso da raiva, da amargura e da vontade de vingança.

A gente perdoa pra gente porque é a nossa mente que fica poluída com pensamentos obsessivos.

A gente perdoa pra gente porque é a nossa vida que fica pesada e amargurada.

A gente perdoa pra gente porque a mágoa é uma prisão nossa. Ela é um calabouço frio e triste no qual nós ficamos presos quando nos negamos a perdoar.

A gente perdoa pra gente porque somos nós quem merecemos novas chances de amar.

A gente perdoa pra gente porque entende que ninguém pode mandar em nossas emoções.

A gente perdoa pra gente porque merecemos aliviar o peso de nossos corações.

O perdão é a chave para nos livrar dessa masmorra.

Perdão deveria ser sinônimo de liberdade porque perdoar liberta pra vida.

Perdão não significa ausência de justiça e muito menos de tristeza. Mas perdão pode significar leveza pra alma que se desprende das amarras do passado.

Perdoar o outro e perdoar a si são como correntes que são quebradas para trazer paz.

Perdoar é um ato de nobreza, não com as outras pessoas, mas consigo, porque apenas um coração nobre e generoso oferece um salvo conduto a um condenado.

Perdoar é um ato de coragem porque apenas quem é capaz de tal desprendimento pode dizer que é forte o suficiente para enfrentar o próprio ego, o maior vilão de nossa história.

Quem perdoa, vence a si.

Quem perdoar não precisa jamais que o perdoado saiba do perdão. Basta que o seu próprio coração esteja livre.

Quem se ama, quem se coloca em primeiro lugar, perdoa, não pelo outro, mas porque entende que sua vida não deve ser ocupada com quem não merece fazer parte dela.

Quando você aprender a perdoar, talvez entenda o real significado da palavra liberdade