Escolha uma Página

 

O microcosmo é cópia fiel do macro. Tudo que acontece no universo reflete em nosso universo interior. A vida humana é a expressão da sua origem natural,  vida em seu mais profundo sentido e significado. Somos todos filhos da natureza mãe, energizados pela luz do sol, alimentados pelos frutos que vêm da terra sagrada e saciados pela água. E assim, inseridos nesse equilíbrio natural da vida, vivemos com a natureza a harmonia dos seus ciclos.

A cada estação, somos convidados a nos alinharmos à energia da natureza e viver suas transformações. Do mesmo modo que a mãe se recolhe e se renova a cada ano, também vivemos nossas estações, nossos ciclos e nossas fases.

A mágica da renovação nos convida ao recomeço em cada nova etapa, dando a chance de nos unirmos à energia da vida e da natureza para harmonizar nossa própria energia e nos alinharmos com aquilo que é necessário para alcançarmos nosso objetivos e evoluirmos.

Sendo assim, se somos parte da natureza e se seu ciclo se faz dentro de cada um de nós, vejamos como isso acontece.

No Inverno ocorre a hibernação, a concentração. É o momento de contato com o mundo interior, é uma reconexão consigo, período de reflexão e introspecção. O Inverno nos ensina a diminuir o ritmo, a olhar para dentro, a aceitar o fim e refletir sobre novos começos que silenciosamente brotam dentro da gente. O inverno é o silêncio necessário para a semente adormecida na terra deixar a vida florescer. É o útero materno, é a retirada estratégica para energização, para que a semente esteja forte para desabrochar na Primavera.

A Primavera é a saída da toca com alegria e cores. Significa a renovação da vida, é o despertar do adormecido. Trata-se do florescer, do desabrochar de ideias e iniciativas. Aquela semente que foi plantada, vira uma bela flor, um belo projeto. A ideia que o inverno preparou, a primavera tira do papel. É transição para a energia do fogo. Aqui é o momento de fertilidade e reprodução. Uma semente dará origens a novas sementes enovas flores. A primavera é um convite ao novo, a abrir-se para o que estava fechado, engavetado e travado.

No Verão, a energia do sol nos chama à ação. É a ideia na prática, realizada com a energia da luz. É o sol intenso aquecendo e fortalecendo nossas vidas. Internamente, a luz nos convida a iluminar aquelas questões que estavam apagadas ou obscuras em nossas vidas. A vida nos convida a dar vida.

E o Outono?

Assim como a Primavera, o Outono é tempo de transição. É o momento em que as folhas caem para que as árvores possam sobreviver ao intenso frio do inverno. É um período de deixar ir, de abandonar aquilo que atravanca ou que pode nos sufocar, nos matar.

Aquilo que prendemos pode ser nossa sentença de morte. Se as folhas verdes permanecessem no inverno, seriam queimadas pelo frio e as árvores perderiam sua fonte de respiração bruscamente e morreriam.

Por isso, o Outono vem para que soltemos as amarras. O Outono prepara o período de recolhimento.

Outono é um momento de libertação, de deixar ir, de abrir espaço no mundo interior para o período de hibernação.

Outono também é colheita. Outono é amadurecimento dos frutos. Estes também precisam seguir seu fluxo natural.

E o que isso significa? Significa o sacrifício de aceitar ver partir aquilo que já cumpriu seu ciclo em nossas vidas.

Outono é liberdade. Outono é abrir espaço.

Aproveite a energia do Outono para refletir sobre sua vida. O que é necessário ir embora? Do que você precisa se libertar? Quais ideias, comportamentos e emoções estão travando sua evolução? Quem são as pessoas que precisam partir? Quais frutos apodrecerão se não forem arrancados?

A estação é um convite, cabe a cada um de nós aceitar ou não.

Como filhos e filhas da mãe natureza, prudente seria seguir sua sabedoria e nos envolvermos em sua energia.

Permita-se.

Fonte de algumas informações: Personare.